quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

DATILOGRAFIA: UMA PROFISSÃO DE FUTURO!


                                               
Jornal A Voz do Povo, 10/03/1934
Acervo Espaço Cultural Luciano Bastos


         Obter um diploma de datilografia tinha um significado social muito grande nas primeiras décadas do Colégio Rio Branco. O exame final era presenciado por familiares e contava com a presença de pessoas de destaque da cidade.

        
        Veja como foram os exames de datilografia da Escola Remington do Colégio Rio Branco em 1933:



                       EXAMES DE DATILOGRAFIA 
1933 – Paraninfo o Dr. Cesar Ferolla – Badger Silveira 1º Colocado

     No dia 19 de novembro de 1933 realizaram-se os exames dos candidatos a “dactylographia” pela Escola Remington do Colégio Rio Branco.
     A comissão examinadora foi composta do Dr. Mario Mota, Prefeito de Itaperuna, Profª Geni Baptista de Oliveira, regente da turma e do Dr. Cesar Ferolla. 
     Os exames tiveram início às 12 horas e prolongaram-se até às 18 horas, quando o Dr. Cesar Ferolla, eleito paraninfo da turma pediu a palavra para ler a ata dos exames e após proferiu uma eloqüente oração. Falou a seguir em nome dos seus colegas o aluno Badger Silveira; em seguida discursou o Revdmo. Padre Mello, que com palavras calorosas disse “da grande satisfação que naquele momento sentia em se achar na sede de um educandário que representa para Bom Jesus um verdadeiro patrimônio porisso que há quase três lustros vem abnegadamente espalhando a mancheias”. Fez-se ouvir após o Dr. Mário Motta, que felicitou “ao Diretor e professores do Colégio pela brilhante atuação que vem tendo o estabelecimento na obra educacional da nossa infância”.

                         OS FORMANDOS

Foram os seguintes os datilógrafos formados: 

Aison de Oliveira, 
Alípio Moreira, 
Álvaro Areas, 
Badger Silveira, 
Dahyl Poubel Machado, 
Decio Silveira, 
Geraldo de Oliveira, 
Gutenberg Poubel, 
Dª Haydée Paranhos Brambila, 
Ida Miranda, 
Irene Poubel, 
José Seródio, 
José Teixeira, 
Josephina Decache, 
Julieta Maron, 
Lourismar Vieira, 
Maria José de Oliveira, 
Maria de Lourdes Pimentel, 
Maria Magdalena Pimentel, 
Mario Jacob Teixeira, 
Otto Delatorre, 
Rossine Peralva e 
Zenilda Cardoso.

                      OS PRIMEIROS COLOCADOS

Dentre os formandos foram classificados em 1º lugar o aluno Badger Silveira; em 2º lugar, Aison de Oliveira e Maria José de Oliveira e em terceiro Maria de Lourdes Pimentel e Geraldo de Oliveira.


 Fonte: Jornal O Norte Fluminense, 13/07/1980
Acervo Espaço Cultural Luciano Bastos



Pianista Thadeu Almeida se apresenta no Espaço Cultural Luciano Bastos

     
                                         
Thadeu Almeida: talento, paixão e dedicação à música
              
        Em noite inspirada, o pianista bonjesuense Thadeu Almeida se apresentou no dia 21 de fevereiro no Espaço Cultural Luciano Bastos, após a abertura feita por seu jovem aluno Alexandre Bartholazzzi.

         Foi, certamente, um evento especial, em que o pianista demonstrou a todos ser possível a realização plena através da arte.
        Com um repertório que incluiu Bach, Beethoven, Brahms, Chopin, Kachaturian, Homero Barreto e Villa-Lobos, revelou ao público presente um inegável talento musical.

        Parabéns, Thadeu, pela belíssima apresentação!
        Veja a matéria do Jornal O Norte Fluminense sobre o evento:

http://onortefluminense.blogspot.com.br/2014/02/recital-de-piano-e-de-emocoes-thadeu.html
       
                                   
Aluno deThadeu Almeida, o jovem Alexandre Bartholazzi fez a abertura do Recital de Piano.









                 



sábado, 8 de fevereiro de 2014

Luciano Bastos: três anos sem ele!

Na foto, Luciano Bastos, que sempre se dedicou a causas comunitárias, no Jubileu de Ouro do Rotary Club, em 13 de Junho de 1997, ocasião em que foi o orador oficial




   
Se estivesse vivo, o advogado e político Luciano Augusto Bastos completaria 86 anos no dia 21 de janeiro. Ele, que também foi jornalista e professor, morreu no dia 08 de fevereiro de 2011.

Durante toda a sua vida dedicou-se à Educação, tendo sido, por mais de 50 anos, Diretor do Colégio Rio Branco.

Luciano Bastos foi casado com Leny Borges Bastos, com quem teve quatro filhos: Claudia Martins Borges Bastos do Carmo, Gino Martins Borges Bastos, Francia Martins Bastos da Silveira e Paula Martins Borges Bastos.

Seus filhos, como homenagem, deram seu nome ao Espaço Cultural que preserva a memória do Colégio Rio Branco e ali se propõem a investir em tudo que ele sempre valorizou.

Parece que foi ontem, mas já se vão três anos sem ele!

Desejamos, por isso, relembrá-lo com carinho, dedicando-lhe o poema “Faz escuro, mas eu canto”, do poeta amazonense Thiago de Mello.


          Faz escuro mas eu canto,
          porque a manhã vai chegar.
          Vem ver comigo, companheiro,
          a cor do mundo mudar.
          Vale a pena não dormir para esperar
          a cor do mundo mudar.
          Já é madrugada,
          vem o sol, quero alegria,
          que é para esquecer o que eu sofria.
          Quem sofre fica acordado
          defendendo o coração.
          Vamos juntos, multidão,
          trabalhar pela alegria,
          amanhã é um novo dia.





sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

RECITAL DE PIANO COM THADEU ALMEIDA NO ESPAÇO CULTURAL LUCIANO BASTOS

       Depois de um recesso no mês de janeiro, estamos retomando nossas atividades. 
     No dia 21 de fevereiro, Sexta-feira, às 19h, acontece a primeira apresentação de 2014 no Espaço Cultural Luciano Bastos: o Recital de Piano com Thadeu Almeida. 
       Você está convidado! Não perca!