terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Feliz 2015!

      
          A equipe do Espaço Cultural Luciano Bastos entra amanhã de férias. Agradecemos a todos os que, ao longo de 2014, nos visitaram, participaram de nossas atividades ou que, mesmo à distância, nos acompanharam. Nosso muito obrigado! 
       
       Desejamos a todos um Feliz Ano Novo e que em 2015 estejamos novamente juntos em nossos projetos e realizações! 

           Dia 3 de fevereiro retornamos, com muitas novidades.



domingo, 21 de dezembro de 2014

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Família Borges de Bom Jesus e suas origens açorianas (Parte I)

         
 Por Claudia M. Borges Bastos do Carmo



      Há 250 anos, em 21.01.1764, Francisco Lourenço Borges nascia na ilha Terceira, Açores.
   Quando embarcou para o Brasil, no final do séc.XVIII, ele nunca poderia imaginar que as tradições e a religiosidade profunda, cheia de encanto e de beleza, trazidas de sua terra, seriam herdadas e preservadas por seus descendentes em locais tão distantes como Bom Jesus do Itabapoana, RJ, dentre elas a devoção particular pelo Espírito Santo. 


Apresentação

       Neste texto apresentamos as pesquisas realizadas por Maria Cristina Borges, Claudia M. Borges Bastos do Carmo e Antonio Soares Borges sobre a origem da família Borges de Bom Jesus do Itabapoana, RJ. 
          As informações que sempre tivemos eram as contidas no importante livro "Bom Jesus do Itabapoana", do historiador Zico Camargo, dedicado à genealogia da família Teixeira. Sabíamos que Ana Rosa Teixeira, uma dentre os dez filhos do mineiro Francisco Teixeira de Siqueira que vieram para nossa cidade, foi casada com Francisco José Borges e aqui deixou grande descendência. 
         Quem foi Francisco José Borges? de onde veio? essas foram as perguntas que nos levaram a essa pesquisa, que não é um trabalho pronto, podendo ser alterado de acordo com o surgimento de novos dados.
      Iniciamos procurando informações sobre a família Borges nos livros da Igreja Matriz de Bom Jesus do Itabapoana, o que nos levou ao registro de batismo do bisavô de Cristina, MESSIAS, surgindo assim a primeira “pista”: o nome do nosso "avô" açoriano Francisco Lourenço Borges.


Registro de Batismo de Messias José Borges. Fonte: Registro Paroquial de Bom Jesus do Itabapoana, RJ.


             "Aos seis dias do mês de janeiro de mil oitocentos e setenta e dois, nesta Freguesia do Senhor Bom Jesus do Itabapoana, batizei e pus os santos óleos ao inocente Messias, branco, nascido em dezembro último, filho legítimo de Francisco José Borges e Maria Carolina Borges; neto paterno de Francisco Lourenço Borges e Anna Rosa de Jesus; e materno de Anacleto Elias de Oliveira e Francisca de tal; foram padrinhos Antonio Teixeira de Siqueira e sua mulher Maria Joaquina da Silva; do que mandei lavrar este assento que assinei. Vigrº José Guedes Machado."


          Com a informação contida no registro de Messias, fomos em busca de dados sobre Francisco Lourenço Borges e chegamos à origem açoriana da família, através do site “Projeto Compartilhar”, trabalho de Bartyra Sette. 



1. FRANCISCO LOURENÇO BORGES - AÇORES

             
Em destaque a Ilha Terceira



    
     
       Foi na Ilha Terceira, freguesia de São Miguel Arcanjo das Lajes, bispado de Angra do Heroísmo, arquipélago dos Açores, que nasceu e foi batizado Francisco Lourenço Borges aos 21/01/1774,sendo filho de Antonio Vieira de Andrada e Joana Antonia.Na fotografia abaixo, o registro de batismo de Francisco Lourenço Borges, localizado pelo primo Antonio Soares Borges na biblioteca digital disponibilizada pelo Centro de Conhecimento dos Açores.
              
Registro do nascimento de Francisco Lourenço Borges. Pesquisa: Antonio Soares Borges. 
Fonte: Centro de Conhecimento dos Açores – Biblioteca Digital – Lajes, Baptismos, 1751-1769 > 0141

      "Francisco , filho de Antonio Vieira de Andrada, natural desta freguesia das Lages, e de sua mulher Joanna, natural da freg. das Quatro Ribeiras e fregueses desta Paroquia de Arcanjo de São Miguel nasceu aos vinte e um dias do mês de Janeiro do presente ano de mil setecentos e setenta e quatro, foi batizado nesta Paróquia d por mim, Manoel da Costa, Vigário desta, aos vinte e nove dias do mesmo mes e ano,foram padrinhos Francisco Vieira de Andrada e sua mulher D. Maria Nascimento, fregueses desta Paróquia, José e para constar fiz esse termo que assinei com testemunhas no mesmo dia, mês e ano.                 Manoel da Costa, Vigário"



       Antonio localizou também dois irmãos de Francisco nos Açores: Manoel, nascido em 28/01/1757 e Thomazia, nascida em 27/09/1770.


2. VINDA PARA O BRASIL 

           Não sabemos a data em que emigrou, mas deve ter vindo bem jovem, seguindo rumo a Minas Gerais, onde se dedicou ao trabalho com tropas de carga. Transportava gêneros para abastecer o Rio de Janeiro e voltava com produtos necessários aos mineiros. Aos 16 anos, em 08/01/1790, atravessou cargas de sal no Registro de Mantiqueira, conforme consta no Arquivo Público Mineiro.

        
Pintura "Tropa de cargas", de Rugendas.

         


        Muitos outros produtos, dentre eles produtos de farmácia, eram trazidos do Rio de Janeiro por Francisco, que os revendia em seu comércio de secos e molhados, como vemos na dissertação “Entre lojas e boticas: o comércio de remédios entre o Rio de Janeiro e Minas Gerais (1750-1808)”, apresentada por Danielle Sanches de Almeida: "Esse mercador comprava gêneros de botica, no Rio de Janeiro, de Antonio Roiz de Carvalho, João Viana Gomes, Gaspar Barbosa Lima entre outros, para vender em sua loja de secos e molhados."

Trecho de "Entre lojas e boticas: o comércio de remédios entre o Rio de Janeiro e Minas Gerais (1750-1808)”, de Danielle Sanches de Almeida


            Francisco também comerciava escravos no Rio de Janeiro. Fábio W.A. Pinheiro, em sua dissertação de mestrado em História na UFRJ, citou Francisco Lourenço Borges como um dos comerciantes de escravos responsáveis por grandes remessas (acima de 20 escravos) do Rio de Janeiro para Minas Gerais, entre 1809 - 1830. 


             Em 25 de abril de 1798, aos 24 anos, Francisco Lourenço Borges casou-se na Capela da Ressaca, Prados, MG, com Ana Rosa de Jesus, mineira, natural de Prados, filha do Alferes Bento José Pereira e Tereza Umbelina de Jesus. Um dos irmãos de Ana, Manoel José Pereira, casou-se com Ermelinda Rodrigues da Conceição, considerada a fundadora da cidade de Miracema, RJ.                                                                

Certidão de casamento de Francisco Lourenço Borges e Ana Rosa de Jesus. 


              “Ressaca – Francº Lourenço Borges – Ana Roza de Jesus 
          Aos vinte cinco dias do mês de Abril de mil sete centos noventa, e oito annos, na Capella da Ressaca, filial desta Matriz de Prados, feitas as denunciaçõens na forma do Sagrado Concilio Tridentino, constituição, e precedendo provisão de habilitação do muito Reverendo Doutor Pedro Joze Pereira de Castro, Vigario da vara desta comarca, que fica em meu poder, de Licença minha, na presença do Reverendo Severino Jose da Silva Moura, e das testemunhas assignadas na certidão por palavras de prezente et in facie Eclesia Francisco Lourenço Borges filho Legitimo de Antonio Vieira de Andrade e Joanna Antonia, natural, baptizado na freguesia de Sam Miguel Arcanjo, ilha Terceira, Bispado de Amgra; e Anna Roza de Jesus filha Legitima de Alferes Bento Jose Pereira, e Thereza Umbelina de Jesus, natural, e baptizada nesta sobredita freguesia de Prados, e logo lhes deo as bênçõens nupciais na forma do Ritual Romano e para constar mandei fazer este assento, que assignei era ut supra. O Vigrº Jose Glz Torrez”






          Em 1805, sete anos após o casamento, Francisco Lourenço Borges comprou, de Agostinho Homem da Costa e sua mulher Rosa Dias de Jesus, a Fazenda do Ribeirão, junto ao rio Paraopeba, na Aplicação de São Caetano de Paraopeba, filial de N. Sra. da Conceição da Real Vila de Queluz (atual Conselheiro Lafaiete), Comarca do Rio das Mortes. Essa fazenda anteriormente havia pertencido ao Alferes Cristóvão Dias Gonçalves, e tinha como limites as terras do capitão Benedito Dornelas da Costa e Manoel Francisco da Costa. 

Fonte: Síntese de Cartas de Sesmarias e Anotações pessoais de Joaquim Rodrigues de Almeida, em Biblioteca Antonio Perdigão, Museu e Arquivo da Cidade de Conselheiro Lafaiete.


Rio Paraopeba
Fonte: Wikipedia


         Em seu testamento, Francisco Lourenço Borges declarou ser membro da Irmandade do Santíssimo Sacramento (importante agremiação religiosa que reunia em seu quadro a elite local), da Irmandade do Senhor de Matosinhos (celebração da festa anual ao Bom Jesus em Agosto, entre os dias 1 e 15) e da Irmandade da Senhora da Boa Morte, em Barbacena, da qual era membro remido.

        Francisco Lourenço Borges também foi Vereador da Câmara de Queluz.  Em 26.02.1823 ele e seus colegas mandaram riscar a cláusula de juramento prévio da Constituição pelo Príncipe D. Pedro I, inserida a pedido do Senado da Côrte. Reconhecendo ter sido um erro declaram que  “de nenhuma sorte deve ter logar a cláusula de semelhante juramento, que de sua natureza he nulo, devendo ser riscada em todos os logares onde se tivesse escrito, havendo como nunca proferida” (Fonte: Jornal Império do Brasil, em 29/03/1823)


Trecho do Jornal Império do Brasil, de 29/03/1823


         Em 02 de Maio de 1824, Francisco Lourenço Borges fez testamento de seus bens, registrando que estava "bastantemente enfermo de cama e de pé". Faleceu logo depois, em 13 de Maio de 1824, na Fazenda do Ribeirão, de sua propriedade.
       O testamento está disponível na internet através do Projeto Compartilhar:


   
3. DESCENDÊNCIA - FRANCISCO LOURENÇO BORGES e ANA ROSA DE JESUS
        Francisco Lourenço Borges e Ana Rosa de Jesus, conforme descrito no testamento dele, foram pais de: 

1. Francisco Lourenço Borges *
2. Francisca de Paula de Jesus, casada com João Lourenço Borges;
3. Maria Teresa Umbelina, casada com Francisco Antonio dos Santos;
4. Ana Querubina de Jesus, casada com Antonio Luiz da Cunha;
5. Theresa Umbelina de Jesus, casada com José Ferreira de Sousa Jr.;
6. Antonia (Pulcheria) de Jesus, casada com João Ferreira de Sousa;
7. Vicência Teresa de Jesus, casada com Joaquim Ferreira de Sousa;
8. Mafalda Antonia de Jesus;
9. Messias Umbelina de Jesus, casada com André Ferreira de Souza;
10. Cândida Umbelina de Jesus, casada com Gervásio Ferreira de Souza.


        * É muito comum, em registros antigos, haver divergência nos sobrenomes. Francisco Lourenço Borges e Francisco José Borges são, pelos documentos que localizamos, a mesma pessoa.


4. FAMILIA BORGES E SUA LIGAÇÃO COM A FAMILIA DE TIRADENTES


     Essa relação deve-se ao casamento de FRANCISCO JOSÉ BORGES, filho de Francisco Lourenço Borges e Ana Rosa de Jesus, com GERTRUDES JOAQUINA DA SILVA, filha do Cap. José Ferreira de Souza e Vicência Joaquina da Silva. Neta paterna do Cel. Francisco José Ferreira de Sousa e ANTONIA RITA DE JESUS XAVIER, irmã mais nova do Alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Neta materna do Cap. André Rodrigues Chaves e Gertrudes Joaquina da Silva. 
         As famílias de Francisco Lourenço Borges e do Cap. José Ferreira de Sousa (relação acima) tinham forte ligação, pois 6 (seis) irmãos Borges se casaram com irmãos Ferreira de Sousa.

5. FRANCISCO JOSÉ BORGES
        Francisco José Borges foi batizado em 9 de Junho de 1806, na Capela de Santo Amaro, filial da Matriz de N. Sra. da Conceição da Real Vila de Queluz (atual Conselheiro Lafaiete), MG, pelo Padre Gregório João da Cruz. Foram seus padrinhos Domingos da Cunha Lopes e sua mulher Ana Joaquina Diniz.




         O Registro de Batismo de Francisco José Borges está guardado no Arquivo da Cúria Arquidiocesana de Mariana - Livro de Batismo Período 1794 - 1829 - Livro I 14 - Pág. 236, Conselheiro Lafaiete, como segue:

        "Aos nove de Junho de anno de mil oito Centos, e Seis na Capella de Santo Amaro, filial desta Matris de Nossa Senhora da conceipçam da Real Villa de Quelus o Capellam da mesma Gregorio João da Cruz baptizou e poz os Santos Óleos a Francisco párvolo filho legítimo de Francisco Lourenço Borges e Anna Rosa de Jesus. Foram padrinhos Domingos da Cunha Lopes, e sua mulher Anna Joaquinna Dinis todos desta Freguezia.  Para constar fis este assento, que assigno. O Vigrº Fortunato Gomes Carnrº."

         FRANCISCO JOSÉ BORGES casou-se com 20 anos de idade na Ermida das Dores de Aplicação dos Olhos d’Água, Queluz (atual Conselheiro Lafaiete, MG), em 16 de outubro de 1826 com GERTRUDES JOAQUINA DA SILVA, filha do Cap. José Ferreira de Sousa e Vicência Joaquina da Silva. Assistiu-os o Padre Gonçalo Ferreira da Fonseca, tio de Gertrudes, em cuja Fazenda refugiou-se o Cônego Antonio Marinho, historiador da Revolução Liberal de 1842.
      Foram testemunhas do casamento: Silvério José Pereira e Domingos da Cunha Lopes.

Registro de casamento de Francisco José Borges e Gertrudes Joaquina da Silva.
Fonte: Registros paroquiais de Conselheiro Lafaiete, disponível em 
familysearch.com

Pesquisa: Maria Cristina Borges









       
         
       Apesar da ausência do nome de GERTRUDES JOAQUINA DA SILVA da genealogia de ANTONIA RITA DE JESUS XAVIER apresentada no importante Projeto Compartilhar [ver link abaixo], descobrimos o seu registro de casamento (acima), onde consta ser Gertrudes filha do Cap. José Ferreira de Souza e Vicência Joaquina da Silva, sendo este filho de Antonia Rita de Jesus Xavier e Francisco José Ferreira de Souza.
  http://www.projetocompartilhar.org/Familia/cap02AntoniadaEncarnacaoXavier.htm  

      O Registro de Casamento de Francisco José Borges e Gertrudes Joaquina da Silva está guardado no Arquivo da Cúria Arquidiocesana de Mariana - Livro de Casamento Período 1824 - 1883 - Livro I 20 - Pág. 150v, Conselheiro Lafaiete, como segue:

      “Aos dezesseis de outubro de mil oitocentos e vinte e seis na Ermida das Dores de Aplicação dos Olhos d’Água com Provisão do Juizo Eclesiástico de São João, feitas as denunciações canônicas com licença minha, o Padre Gonçalo Ferreira da Fonseca assistiu e administrou o Sacramento do Matrimônio e conferiu as bênçãos nupciais na forma do Ritual romano aos contraentes Francisco José Borges, filho legítimo de Francisco Lourenço Borges e Ana Rosa de Jesus, e Dona Gertrudes Joaquina da Silva, filha legítima de do Capitão José Ferreira Souza e Dona Vicência Joaquina da Silva, naturais batizados e moradores nesta freguesia de Queluz, os quais com palavras de presente, mútuo consentimento, et in face Eclesio manifestarão sua vontade em presença das testemunhas Domingos da Cunha Lopes e Silvério José Pereira, assinados no assento feito pelo sobredito Padre, donde extraí a presença que assino."

6. DESCENDÊNCIA - FRANCISCO JOSÉ BORGES e GERTRUDES JOAQUINA DA SILVA. 
   
         De acordo com pesquisas feitas em Mariana, MG e Bom Jesus, RJ, Francisco José Borges e Gertrudes Joaquina da Silva foram pais de, pelo menos:

1. Antonio José Borges, casado com Bárbara Rosa Teixeira;
2. Maria Joaquina da Silva, casada com Antonio Teixeira de Siqueira;
3. Pedro José Borges, casado com Maria Rosa de Nazareth;
4. Ana Joaquina da Silva, casada com Francisco Theodoro de Oliveira; 
5. Messias Joaquina da Silva, casada com Antonio Rodrigues de Souza;
6. Francisco José Borges;
7. Verônica Joaquina da Silva, casada com Gervásio Ferreira de Souza.

      Quando Francisco José Borges, já viúvo, e novamente casado com Ana Rosa Teixeira, veio para Bom Jesus do Itabapoana, RJ, alguns dos filhos do primeiro casamento vieram acompanhando o pai e aqui se fixaram, formando famílias tradicionais em todo o Vale do Itabapoana, com grande descendência. Alguns deles, como Antonio José Borges e Maria Joaquina da Silva, têm sua genealogia descrita no livro "História de Bom Jesus do Itabapoana", de Zico Camargo.














   

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Recital dos Alunos da Escola de Música Cristo Rei


Mais uma noite no ECLB com muita música!
Desta vez, são os alunos da Escola de Música Cristo Rei, dirigida pela Professora Marise Figueiredo Xavier que fazem, nesta quarta-feira (17/12), a partir das 19h30min, sua apresentação de final de ano.

Todos estão convidados!



Exposição "Pérolas Negras"



Visite a Exposição fotográfica “Pérolas Negras” no Espaço Cultural Luciano Bastos.





      Organizada pelo Instituto de Educação Eber Teixeira de Figueiredo e idealizada pelos Professores Luzineth (Netinha) Fernandes e Pedro Salim, da Animação Cultural, a Mostra “Pérolas Negras” é composta por retratos de alunos da escola fotografados pela Professora Ana Cristina Boniolo.


          Veja como foi  a exposição no IEETF:
                                      

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Prof. Oseias Silva traz Recital dos Alunos do CRAS ao ECLB


      Mais uma Sexta-feira no ECLB com muita música!

     O excepcional músico Oseias Teixeira da Silva e seus alunos do CRAS fazem hoje, a partir das 19h, sua apresentação de final de ano.
     Parabéns a todos pelo trabalho!

     Venha e participe!






quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Alunos da Escola de Música JEMAJ se apresentam Recital de Natal no ECLB


     Aconteceu no último sábado, 29 de novembro, no ECLB, o Recital de Natal da Escola de Música JEMAJ, coordenada pela Prof. Anízia Maria Pimentel dos Santos. Os alunos realizaram várias apresentações: canto, violão, flauta, bateria, piano e violino.


















terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Recital dos Alunos do Prof. Thadeu Almeida







         O Espaço Cultural Luciano Bastos convida para o recital dos Alunos do Curso Livre de Música da Paróquia Pessoal do Senhor Bom Jesus Crucificado e do Imaculado Coração de Maria e do Projeto de Violinos na Asa Branca (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Cultural dos Municípios - PADEC) coordenado pelo Prof. Thadeu Almeida.

        A apresentação será realizada na próxima quarta-feira, 10 de dezembro, às 19h30min., no Auditório D. Carmita.

         Contamos com sua presença!



segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Recital de Piano e Violino


      O recital EUPHONIA será a atração do ECLB no próximo dia 28 de novembro, sexta-feira. 
      No EUPHONIA, o público irá prestigiar um concerto de piano e violino com os músicos Luis Otávio Barreto e Verônica Feijoli. A apresentação será realizada às 20 horas, no Auditório D. Carmita, com entrada gratuita. 
      Contamos com sua presença!















Veja a matéria do jornal O Norte Fluminense a respeito do Recital:



quarta-feira, 12 de novembro de 2014

ECLB recebe doação do Centro Cultural Maria Beatriz

Capa do livro: Gioventù, tela mais famosa de Visconti, chamada "a Gioconda brasileira". 



        A poetisa Maria Beatriz Silva, Diretora do Centro Cultural que leva o seu nome, em Laje do Muriaé, veio hoje a Bom Jesus e fez a 
doação de um exemplar do livro ELISEU VISCONTI, A ARTE EM MOVIMENTO, para o Espaço Cultural Luciano Bastos. 
     Trata-se de um livro de acabamento primoroso, com textos sobre a obra e vida de Eliseu Visconti, grande representante do Impressionismo no Brasil e também considerado o precursor de nosso Modernismo e que reproduz 46 fotografias e 230 obras do artista. 
      Queremos agradecer imensamente a doação do Centro Cultural Maria Beatriz, que vai complementar o acervo de arte de nossa biblioteca, e também a sua dinâmica Diretora Maria Beatriz, incansável batalhadora pela cultura em nossa região.

            Nosso muito obrigado!
















quarta-feira, 5 de novembro de 2014

HINO DO COLÉGIO RIO BRANCO






































       O Hino do Colégio Rio Branco foi composto em 1945, tendo letra e música de autoria do nosso querido Padre Mello.
      Sempre cantado nos eventos festivos da escola, o hino ainda está gravado na memória dos ex-alunos e constitui um dos símbolos tradicionais do Rio Branco.
       O jornal estudantil “A Voz do Estudante”, órgão literário dos alunos do Ginásio Rio Branco, em sua edição nº 15, em Abril de 1945, publicava:

    “Pela mocidade estudantil riobranquense, será brevemente cantado o “Hino Rio Branco”, que passará, de geração em geração, a fazer parte das tradições da nossa casa de ensino.
      Letra e música da autoria do Revmo. Padre Melo, que tão bem soube atestar o valor do nosso patrono, Rio Branco, e interpretar os desejos da diretoria do estabelecimento.”


Jornal A Voz do Estudante, Abril de 1945




     O mesmo jornal, em sua edição nº 17, Junho de 1945, publicava:

              "Reunião do Grêmio Humberto de Campos

       No salão nobre do Ginásio Rio Branco realizou-se, no dia 25 de maio, a sessão literária que mensalmente se faz, com a presença dos corpos docente e discente e mais pessoas da nossa sociedade.
      Esta reunião será sempre lembrada e marcou para a nossa casa de ensino mais uma de suas vitórias. Pela primeira vez foi cantada pelos riobranquenses o hino oficial do Ginásio. Como já fizemos referência em nossa folha, tanto a letra como a música são de autoria do nosso mui estimado Vigário, o Reverendíssimo Pe. Mello, e tivemos o grato prazer de vê-lo entre os convidados. Foi o Rev. muito cumprimentado e recebeu uma estrondosa salva."








segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Visita da família Silveira: parentes de José, Badger e Roberto Silveira recepcionados no ECLB

             
Os irmãos José, Badger e Roberto Silveira, nomes que honram nossa terra, foram alunos do Colégio Rio Branco, fazendo parte da sua Galeria Histórica.


        Neste último sábado, 01 de novembro, às 9h, o ECLB foi o ponto de partida da programação da visita a Bom Jesus de alguns membros da família Silveira, parentes dos irmãos Roberto, Badger, José, Maria da Penha e Dinah Silveira, que não puderam estar presentes às emocionantes homenagens aos Governadores Roberto e Badger Silveira vividas em agosto último.

          Em clima de alegria, os visitantes foram recepcionados no Espaço Cultural Luciano Bastos pelo Dr. Gino M. Borges Bastos, que idealizou a criação de um Memorial dos Governadores Badger e Roberto Silveira, inaugurado em agosto no Sítio Rio Preto, Calheiros e pelo radialista Jailton da Penha.

           Estiveram presentes amigos e familiares bonjesuenses que vieram dar as boas vindas a Badger Silveira Filho (filho de Badger Silveira) e esposa Carmem Lúcia; José Roberto F. Silveira (filho de Badger Silveira); Herval José da Silveira (filho de José T. Silveira) e esposa Diane,  dentre outros, que puderam conhecer as salas de exposição com o acervo do antigo Colégio Rio Branco e também a Sala da Imprensa.

                   
   


       Foi com muito orgulho que recebemos essas visitas, pois José, Badger e Roberto Silveira foram alunos do Colégio Rio Branco, fazendo parte da sua Galeria Histórica.

                           


      Momento marcante do evento foi a apresentação de Vera Maria Viana Borges. Ex-aluna do Colégio Rio Branco, já consagrada como escritora, pintora, poetisa e compositora, Vera brindou os visitantes com poemas dedicados a Roberto Silveira, e ao acordeon, com um mix especial de músicas brasileiras.
       Na primeira foto abaixo, registro da ex-aluna do Colégio Rio Branco ao lado de um dos quadros expostos no ECLB, contendo uma poesia sua dedicada aos 80 anos do educandário.



    Após a visita ao ECLB houve programação na Praça Governador Portela e no interior, na região dos Quebrados e Sítio Rio Preto.